domingo, 6 de maio de 2018

Nossa luta é contra o próprio ego



A temperança está ligada a uma vida de renúncia, de disciplina e de freio. Paulo, referindo-se à sua luta pessoal se expressou: “Pois assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes, subjugo o meu corpo e o reduzo a servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha ser reprovado” (1 Co 9.26-27).

Essa é a nossa luta, amada, lutar contra nós mesmas, nossos desejos, nosso temperamento. Sua maior luta é consigo mesma; a sua cruz não é seu querido marido, não são seus lhos, nem tampouco seus irmãos. A sua cruz é você mesma, e você a tem que levar diariamente. Para onde quer que for, o seu ego, seu eu, a acompanha. É como o casco da tartaruga: para onde ela vai, tem que levar o casco. Assim somos nós.

Eu interpreto as palavras do apóstolo aos coríntios da seguinte maneira: “Em vez de espancar alguém, ferir a alguém, eu devo brigar ou combater comigo mesmo, a m de que Cristo cada dia seja glorificado na minha vida através de minhas atitudes, ou seja, do meu modo de agir, o meu comportamento diante de determinada situação, o meu modo de atuar no mundo deve refletir a glória de Deus”.

Alguns comentaristas pontuam que, quando Paulo fala na luta, essa metáfora “esmurro meu corpo”, refere-se aos movimentos do boxe, que de acordo com o original grego significa que ele dirigia seu golpes contra ele mesmo a m de derrubar-se. Derrubar seu corpo, seus apetites carnais, seus desejos desviados, que queriam derrotá-lo em sua vida espiritual. O domínio próprio é muitas vezes dizer não a você mesmo, e sim para Deus. Outras vezes, é dizer sim para você e sim para Deus.

Como exemplo, podemos citar Davi, que exercitou o domínio próprio em alguns momentos de sua vida, como quando, certo dia, teve a oportunidade de matar o rei Saul. O autodomínio levou-o a dizer: “Não faça tal” (1 Sm 24.7,9). Mas, em outra ocasião, infelizmente ele não se dominou: quando viu Bate-Seba banhando-se, logo a tomou como mulher, adulterou e ainda ordenou o homicídio do marido dela. Oh, querida! Devemos estar sempre cultivando o domínio próprio, porque podemos em um minuto, por falta dele, arruinar toda a nossa vida.


(Judite Alves, trecho do livro A Mulher e a Frutificação)

2 comentários:

Quero ouvir sua opinião! Deixe aqui sua mensagem!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...